Serviços
Benefícios
Agenda de Cursos
Balcão de Talentos
Meu Cadastro

Apenas 13% dos meninos tomaram a segunda dose da vacina contra o HPV



Ministério da Saúde lança nova campanha para vacinar meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos contra a doença.

Só 13% dos meninos de 11 a 14 anos tomaram a segunda dose contra o HPV. O Ministério da Saúde lança uma nova campanha de imunização para proteger o público-alvo da doença. Foram adquiridas 14 milhões de vacinas.

Quem é parte do público-alvo?

  • Meninas de 9 a 14 anos
  • Meninos de 11 a 14 anos

 

Como está a cobertura vacinal?

  • 63,4% das meninas do público-alvo tomaram a primeira dose
  • 41,8% das meninas do público-alvo tomaram a segunda dose
  • 35,7 % dos meninos do público-alvo tomaram a primeira dose
  • 13% dos meninos do público-alvo tomaram a segunda dose

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, alerta que a cobertura vacinal só está completa após a segunda dose da vacina. O adolescente que recebeu a primeira aplicação deve voltar ao posto de saúde após seis meses para repetir a imunização.

O ministério pretende vacinar 9,7 milhões de meninas e 10,8 milhões de meninos neste ano.

Por que vacinar?

O vírus do papiloma humano, ou HPV, é causa de diversos tipos de cânceres. No mundo, 640 mil casos foram noticicados devido à doença.

Com isso, a vacina previne 70% dos casos de câncer de colo de útero, 90% de câncer anal, 63% de câncer de pênis, 70% de câncer vaginal, 72% de câncer de orofaringe e 90% das verrugas vaginais.

A vacina é segura e não aumenta o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez.

O HPV no Brasil

Em estudo feito em 2017, mais de 7 mil pessoas foram entrevistadas em todo o país. Os dados mostraram que 37,6% das pessoas entrevistadas apresentaram HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

O estudo mostrou, ainda, que 16,1% dos adolescentes já teve uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) ou um resultado positivo para HPV ou sífilis.

Fonte: G1


Compartilhe


Comentários