Aposta da Amazon na saúde começa a tomar forma



Assim como milhões de pessoas usam a Alexa, assistente de voz da Amazon, para diversas tarefas do dia-a-dia, alguns hospitais dos Estados Unidos estão utilizando a mesma tecnologia de ativação por voz para o acompanhamento de cirurgias e gerenciamento do cuidado do paciente.

 

Segundo artigo do Financial Times, publicado no portal Fintech Zoom, a empresa está lançando uma enxurrada de serviços de saúde voltados para o consumidor, como farmácia online e telessaúde. Ao mesmo tempo, está desenvolvendo constantemente seus recursos com a Amazon Web Services (AWS) em um esforço para criar um novo sistema operacional para cuidados que vão desde o gerenciamento de registros de saúde até a aplicação de IA para prever quando uma pessoa pode ficar doente.

A Amazon está vendendo suas credenciais de saúde diretamente aos consumidores, a empregadores frustrados com os custos e aos hospitais e redes de saúde responsáveis ​​por administrar os cuidados.

Nos Estados Unidos, o custo da saúde saiu do controle. Os Centros de Serviços de Medicare e Medicaid (CMS) projetam gastos em saúde em 2021na casa dos US$ 4,2 trilhões, cerca de 18% do produto interno bruto, e US$ 5 trilhões em 2025. Grande parte dos custos é assumida pelos empregadores. De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaiser Family Foundation, uma esmagadora maioria dos executivos (87%) disse que pagar pela saúde dos funcionários se tornaria insustentável nos próximos cinco a dez anos.

Mas, ao mesmo tempo, novas tendências estão surgindo. Dispositivos que rastreiam nossa saúde estão se tornando mais inteligentes e mais amplamente usados. A conectividade melhorada e mais barata tornou o atendimento remoto não apenas possível, mas, para um número crescente, uma preferência. A inteligência artificial, auxiliada pela análise de big data, abriu caminhos maiores para a criação de novos tratamentos ou planos de cuidados.

Em 2018 a Amazon adquiriu a PillPack, serviço de prescrição por correspondência e, no final do ano passado, lançou a Amazon Pharmacy, que oferece entrega e descontos em lojas físicas como a CVS. Em julho deste ano, lançou o Amazon Dx, serviço que oferece testes caseiros para a Covid-19, com resultados em 24 horas. É provável que seja apenas o começo: os anúncios de emprego da empresa apontam para uma ambição adicional de lançar vários testes diferentes.

Em março, a Amazon que seu produto de telessaúde, Amazon Care, seria oferecido a empresas nos Estados Unidos. O serviço – que oferece videoconferências com um médico ou enfermeira, 24 horas por dia, bem como visitas presenciais em algumas regiões – está disponível para funcionários da companhia perto de sua sede em Seattle como parte de um piloto desde 2019. o serviço é administrado por meio da Care Medical, uma empresa terceirizada.

A Amazon disse que “várias” empresas se inscreveram para usar o serviço e que a empresa está em negociações com grandes seguradoras em um esforço para se tornar um benefício para dezenas de milhões de pacientes.

Fonte: Panorama Farmacêutico

Publicado em 16 de setembro de 2021


Compartilhe


Comentários