Desvendado um dos fatores que torna nova variante do COVID mais contagiosa



Pesquisadores buscam explicações para a “Nova Onda”de infecções por COVID

 

Estudos desenvolvidos nas faculdades de Medicina (FMRP) e de Odontologia (FORP) da Universidade de São Paulo (USP), Campus de Ribeirão Preto, identificaram um dos fatores que tornaram mais infecciosa a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, a B.1.1.7, originária do Reino Unido e com dois casos confirmados no Brasil pelo Instituto Adolf Lutz.

 

BIOINFORMÁTICA

As técnicas de bioinformática utilizadas, constataram que a proteína spike da nova cepa viral – que forma a coroa que da nome à família dos coronavírus – estabelece maior força de interação com o receptor, presente na superfície das células humanas e com o qual o COVID-19 se liga para viabilizar a infecção.

Crédito: Getty Images/iStockphoto

 

QUAL MUTAÇÃO?

O aumento na força de interação molecular da nova linhagem é causada por uma mutação já identificada no resíduo de aminoácido 501 da proteína spike do SARS-CoV-2, chamada de N501Y, que deu origem à nova variante do vírus.

 

CONSEQUÊNCIA

Como essa mutação foi notificada pelo Reino Unido em Dezembro de 2020, ainda não foi possível avaliar, se ela é mais ou menos patogênica, segundo os pesquisadores.

 


Assista o vídeo da matéria: CLIQUE AQUI 

Ficou em dúvida em relação a imunologia do COVID-19?

Comente na publicação e entre em contato com o Sincofarma pelas redes sociais.

 


Faça o curso de PROGRAMA DE FORMAÇÃO E HABILITAÇÃO DE FARMACÊUTICOS EM VACINAÇÃO

Próxima turma dias 11 e 12 de Fevereiro. O curso mais confiável e cumprindo todos os requisitos do CFF e Mec.

Fonte: FAPESP


Compartilhe


Comentários