Justiça obriga plano a fornecer medicamento de uso domiciliar



Uma decisão da 16ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre pode abrir um precedente capaz de mudar o acesso a medicamentos de especialidades e alta complexidade.

 

O órgão deliberou que um plano de saúde deve cumprir com o custeio do tratamento de doença autoimune raríssima, por meio da entrega de remédios em casa. As informações são do portal Consultor Jurídico.

O autor da ação alegou que, em agosto de 2020, foi diagnosticado com a doença e quadro de pneumonia intersticial. Mencionou que o tratamento iniciado em fevereiro de 2021 é indispensável para a manutenção de sua vida, até que consiga fazer um transplante de pulmão.

O custo mensal dos medicamentos é de RS 29 mil, mais R$ 22 mil para aplicação ambulatorial de drogas específicas a cada seis meses. O juiz João Ricardo dos Santos Costa concedeu a liminar após ter acesso ao atestado médico juntado ao processo e comprovar o alto risco de vida do paciente.

Ainda segundo o magistrado, a Lei 9.656/98, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, não expressa a exclusão de fornecimento do tratamento. Isso significa que a operadora não está autorizada a  escolher o método mais adequado para o tratamento da doença do autor ou simplesmente negá-lo.

O plano deverá fornecer em cinco dias os medicamentos requisitados, sob pena de multa diária no valor de R$ 2 mil.

Fonte: Panorama Farmacêutico


Compartilhe


Comentários