Passa de 144 mil o número de testes rápidos em farmácias



Quase 150 mil testes rápidos já foram aplicados pelas farmácias em apenas dois meses, segundo os mais novos indicadores publicados pela Abrafarma.

A atualização aponta que foram aplicados 144.484 testes para detecção de anticorpos contra o coronavírus, por meio da coleta de sangue com furo na ponta do dedo. Para ter acesso à pesquisa completa, clique aqui.

O estudo indica também a crescente adesão da população. Em apenas oito dias (de 22 a 28 de junho), 46.998 pessoas se submeteram ao procedimento. O número é 48,2% maior que o da semana anterior.

De acordo com a pesquisa, 689 farmácias estão ofertando o serviço, das quais 38,6% estão concentradas em São Paulo (266) – que aumentou o número de postos em 77,3%, em apenas uma semana – e Minas Gerais (121). Do total de pacientes, 21.097 (14,60%) testaram positivo, enquanto em 123.387 pessoas (85,40%) o resultado foi negativo.

Testes com qualidade e nota de repúdio

Carlos Eduardo Gouvêa, presidente executivo da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) e um dos responsáveis pelo programa de avaliação dos kits utilizados nas farmácias, destaca os testes como um instrumento essencial para o enfrentamento da Covid-19. “Eles contribuem para desafogar o atendimento da rede pública e balizar estratégias de combate ao vírus”, reitera.

Nesta semana, inclusive, a CBDL foi uma das quatro entidades que assinou uma nota de repúdio à declaração da microbiologista Natália Pasternak ao programa Roda Viva (TV Cultura) no último dia 29 de junho. Na oportunidade, ela colocou em dúvida a qualidade da maioria dos testes, mesmo sem dispor de dados que comprovassem sua afirmação. O documento também teve a autoria da Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, Sociedade Brasileira de Análises Clínicas e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.

 

Fonte: Panorama Farmacêutico


Compartilhe


Comentários