Programa de Gerenciamento de Risco é obrigatório às farmácias – Consulte o Sincofarma/SP



O PGR substitui o PPRA e agora, portanto, é determinado à todas as empresas

 

As organizações agora adotam o novo Programa de Gerenciamento de Risco para controlar os riscos no local de trabalho. Contudo, ele substitui o PPRA.

Renan Quaresma, da área técnica operacional da BFA, parceira do Sincofarma, explica que o PGR “visa prevenir e minimizar ou eliminar os riscos ocupacionais nas empresas”.

O motivo da substituição é porque o PPRA é uma norma regulamentadora independente. Segundo Renan, o mesmo “estabelecia uma conexão com as outras NRs para que possam andar em conjunto”.

Da mesma forma que o PPRA, o trabalho da BFA em torno do PGR será com vistorias nos locais e elaboração de laudos após.

 

Qual a importância para as farmácias?

Renan Quaresma reforça a importância do PGR às empresas. “Da mesma forma que o Ministério do Trabalho exigia o PPRA, também farão com o PGR, pois é feito para que as empresas possam trazer segurança para seus funcionários em meio aos riscos ocupacionais”.

O descumprimento do PGR pode causar problemas para as empresas. “Em caso de fiscalização ou acidente de trabalho o PGR, a falta poderá acarretar em multa para as empresas. Além disso, empresas que não possuem o PGR ficam descobertas de um profissional que indica às empresas os riscos e quais medidas devem ser tomadas para minimizar ou eliminar o perigo ocupacional”, Renan exemplifica.

 

PCMSO e PGR

O Sincofarma/SP disponibiliza o PCMSO e o PGR, com valores diferenciados aos seus associados, pela BFA.

Entre em contato e saiba mais:

pcmso@sincofarma.org.br / (11) 3224-0966 / (11) 94387-2305

 

Fonte: Comunicação Sincofarma/SP


Compartilhe


Comentários