Quem pode ou não tomar vacina contra a Covid-19?



Exemplos de casos de reações alérgicas em pessoas que receberam a vacina da Pfizer /BioNtech no Reino Unido estão provocando dúvidas em relação quem deve ou não se imunizar contra o vírus.

 

Segundo matéria da Folhapress em dezembro, Países que iniciaram a vacinação contra o Covid-19, como Reino Unido e Estados Unidos, começaram também surgir a dúvida de quem pode ou não tomar a vacina.

Ainda a mesma fonte, atualmente, o único grupo para o qual há restrição prévia à vacinação são os menores de 18 anos. Os estudos clínicos não contaram com crianças até o momento, e esta é a razão.

 

CONSULTE O PROFISSIONAL DE SAÚDE

De acordo com a entrevista realizada pelo portal A Cidade On com o virologista do Centro de Tecnologia de Vacinas (CT Vacinas) e pesquisador do departamento de microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais, diz que a primeira recomendação é consultar um profissional.

“Se você tem qualquer dúvida sobre se alguma condição de saúde que você tem vai ou não atrapalhar a imunização, procure um médico. Assim, cada caso pode ser avaliado com cuidado.”

 

QUEM É ALÉRGICO PODE?

A sensibilidade anormal do organismo perante certas substâncias gera também dúvidas às pessoas alérgicas sobre a vacina do coronavírus. Mas, a coordenadora do Departamento Científico de Imunização da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), Ana Karolina Barreto Marinho, diz que seja qual for a pessoa com alergia pode tomar qualquer vacina. Mesmo sendo a vacina da Pfizer/BioNTech, para a qual se registraram reações alérgicas. Alerta apenas para casos específicos alérgicos, que não devem se vacinar.

“As únicas pessoas que não poderiam tomar a vacina são as que já tiveram reações alérgicas graves a vacinas anteriores ou quem é alérgico a um componente dessa vacina, que vai contar com uma bula indicando a sua composição”, explica a coordenadora do Asbai.

Os indícios alérgicos considerados graves são os que ocorrem no mesmo instante que foi realizado a vacinação. Podem surgir efeitos como urticária generalizada, falta de ar e crises convulsivas.

 

SE JÁ TEVE COVID-19 PODE TOMAR A VACINA?

A exemplo de outras doenças, como o sarampo, quem já foi infectado pelo covid-19 pode tomar a vacina sem objeção.

O jornal Folha Press conversou com a consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Karen Morejon, que afirma que essa é outra questão que cada laboratório deve indicar na bula. Ela explica que a vacina da Pfizer, já em aplicação nos EUA e no Reino Unido, é recomendada a quem já teve a doença, “porque não sabemos se o sistema imunológico já está protegido ou não”. O mesmo, diz ela, “deve ocorrer com as outras vacinas, quando liberarem as informações, já que não sabemos quanto tempo a proteção natural de uma pessoa que teve a doença dura”.

 

QUEM ESTÁ COM SINTOMAS DE COVID-19?

Assim como nenhum tipo de vacina é recomendado para pessoas que está apresentando sintomas de qualquer doença, principalmente quem esteja com sinais de febre, esta vacina contra o Covid-19 também não deve ser realizada.

O organismo já está reagindo, e impossibilitará o efeito de imunização investigado nos estudos clínicos. Assim, não é recomendável que, quem tem sintomas, mesmo sem diagnóstico, se vacine.

 

PESSOAS EM TRATAMENTO DE CÂNCER PODEM SE VACINAR CONTRA A COVID-19?

Ana karolina, do Departamento Científico de Imunização da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, explicou que esta resposta depende muito da doença autoimune e do tratamendo que está sendo realizado.

Ela entende que, pessoas em tratamento de radioterapia ou quimioterapia para qualquer tipo de câncer, não devem se vacinar. “A doença está ativa e o tratamento debilita o sistema imunológico, então ela não deve tomar nenhuma vacina. Não é nem mesmo algo específico para a Covid-19.”

 

OUTRAS DOENÇAS IMUNOSSUPRESSORAS

As pessoas transplantadas também não devem ser vacinadas, porque após o procedimento tomam imunossupressores, isto é, medicamentos que alteram o sistema de defesa do corpo humano.

O virologista do CV Vacinas julga que pessoas HIV positivas em tratamento com coquetel de medicamentos podem tomar a vacina contra o coronavírus. “A terapia retroviral faz com que a pessoa tenha o sistema imunológico perfeitamente normal, então ela deve tomar a vacina e será imunizada sem nenhum risco”, afirma Flávio Fonseca.

 

CRIANÇAS DEVEM SER VACINADAS?

Uma das dúvida ainda implantadas são as crianças com comorbidades e grupo de risco. Para Marinho, que além de coordenadora da Asbai é membro do Gabinete de Crise do Covid-19 do Conjunto Hospitalar do Mandaqui e imunologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, as crianças não devem ser vacinadas.

“Mesmo crianças com comorbidades não desenvolvem sintomas graves, segundo os dados globais que temos até o momento”, diz ela.
Já Fonseca, virologista do CT Vacinas, afirma que essa é uma questão a ser discutida. “O Ministério da Saúde deveria orientar sobre essa questão, porque cada um pode ter uma interpretação. Ao meu ver, as crianças com comorbidades deveriam ser vacinadas. Mas o plano de imunização tem uma lacuna nesse ponto. Eles precisam indicar uma posição geral para o país.

 

PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS FÍSICAS OU MENTAIS, PODEM SER VACINADAS COM SEGURANÇA?

Sim, pessoas com deficiências que não afetam o sistema imunológico podem se vacinar. Segundo Karen Morejon, não há indícios de que uma deficiência afete a resposta imune, e isso diz respeito a qualquer vacina. “Acredito que há uma confusão nesse ponto, porque a imunodeficiência é a única para a qual temos provas científicas de que altera os efeitos de uma vacina. De resto, todas as pessoas, não importa qual a situação física ou mental, podem ser vacinadas”, explica a consultora do SBI.

 

Fonte exclusiva: Folhapress do Portal A Cidade On


A Biotecno fala sobre Conservação da Vacina clique aqui

 

PROGRAMA DE FORMAÇÃO E HABILITAÇÃO DE FARMACÊUTICOS EM VACINAÇÃO

O Curso tem a chancela do ICTQ para Desenvolver habilidades técnicas que proporcionem o farmacêutico a planejar, implantar e executar os procedimentos de aplicação de vacinas em farmácias de acordo com a Resolução nº 654/2018 do CFF.

A Instituição está credenciada no MEC por meio da Portaria nº 281 de 28/03/2018. O cadastro e a situação do credenciamento poderão ser verificados no site do e-MEC

 

Próxima turma: dias 11 e 12 de Fevereiro, no auditório do Sincofarma/SP. Inscrições em www.sincofarma.org.br 

Fonte: Comunicação Sincofarma/SP


Compartilhe


Comentários