Vitamina B12 e Vitamina D em Idosos: exagero ou medida necessária?



Gustavo Alves traz a resposta na sua coluna semanal sobre quais as vitaminas que os idosos realmente precisam consumir.

 

Afinal de contas é mito ou verdade que os idosos precisam de vitaminas?

A resposta para esta pergunta deve ser dada após análise de alguns fatores, ainda que seja extremamente importante o reconhecimento da fisiologia do idoso como um fator limitante para a absorção e aproveitamento de substâncias nutrientes precisa ser considerado.

 

As alterações de pH estomacal e a redução da capacidade de absorção de vitaminas, sais minerais e outras substâncias pelas microvilosidades intestinais trazem sérios riscos de saúde aos idosos.

 

B12

Uma das vitaminas mais importantes para os idosos é a vitamina B12, conhecida também como cobalamina e que desempenha funções vitais. Ela é absorvida no íleo, mas precisa de uma proteína produzida no estômago chamada haptocorrina. Sua falta pode provocar anemia, fraqueza e até falta de ar, além de tonturas. Neste último caso, as tonturas, levam os idosos a terem quedas, caírem, e como consequência podem vir os traumas, fraturas, etc.

 

A falta de vitamina B12 leva também à queda da cognição em idosos, promovendo o que chamamos de declínio cognitivo leve, afetando memória, atividades da vida diária, concentração e funções executivas.

 

VITAMINA D

A maioria dos idosos é desidratada, bebem pouca água, embora não sintam sede, e isso afeta também a absorção de vitaminas.

Uma outra vitamina muito comentada de uns anos para cá e que virou uma espécie de “mantra” para os idosos, é a Vitamina D.

Sim, a vitamina D desempenha funções incrivelmente importantes para os idosos, mas vamos com calma quando se fala de algumas outras ações ainda não comprovadas.

A vitamina D contribui para a absorção de cálcio e fosfato e sua deficiência está intimamente ligada com a falta de exposição solar. O Sol é vital para que todos, inclusive os idosos, tenham níveis normais desta vitamina.

Normalmente a alimentação “natural”, isto é, aquela advinda da dieta do café da manhã, almoço e jantar, não vai trazer as concentrações necessárias desta vitamina, sendo, portanto, necessário fazer a suplementação com alimentos enriquecidos ou com a ingestão de vitamina D.

 

Importante: 10 a 20% das quantidades ideais de vitamina D vêm da dieta, enquanto 80 a 90% dependem da exposição ao Sol.
Atenção, quanto mais envelhecemos, mais precisamos de vitamina D!

 

Em idosos, o Cálcio e o Fósforo tornam os ossos mais resistentes, mais densos, por isso são tão importantes já que a fragilidade óssea pode levar a quedas e fraturas. Mais vitamina D, mais Cálcio e fósforo sendo absorvidos no intestino.

Sobre outras ações da vitamina D, tem se discutido seu efeito sobre a cognição, mas há ainda controvérsias.

A dose diária de vitamina D recomendada para idosos é de 600 UI (unidades internacionais), podendo chegar a 800, mas é importante antes de mais nada verificar a dosagem de um metabólito chamado 25-Hidroxivitamina D, para saber se você precisa ou não dessa suplementação. Se tiver dúvidas, procure seu médico e faça este exame.

Havendo necessidade de usar vitamina D, procure um médico ou um farmacêutico, não tome medicamentos sem orientação.

 

Algumas dicas de alimentos ricos em vitamina D:

 

Salmão, atum, sardinha (são peixes gordurosos); leite enriquecido e derivados; gema de ovo; cereais enriquecidos; óleo de fígado de peixe.

Você deve estar se perguntando do porque de alimentos gordurosos. Simples, a vitamina D precisa de gordura para ser melhor absorvida!

Fique atento, não tome vitaminas sem orientação, verifique sempre se a suplementação pode ser feita pela dieta (alimentação natural), neste caso o profissional nutricionista será o mais indicado.

Se optar pelas vitaminas vendidas em farmácias, busque orientação do médico ou farmacêutico.

Vitaminas são importantes, mas se usadas sem critério e necessidade podem trazer problemas. No caso da vitamina D, seu excesso pode trazer danos renais e cardíacos.

 


 

Gustavo Alves Andrade dos Santos

Farmacêutico, Doutor em Biotecnologia
Coordenador do grupo de Cuidado farmacêutico ao Idoso do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo.
Twitter: @gustavofarmacia
Instagram: @gusfarma
Email: gusfarma@hotmail.com

 

Fonte: Comunicação Sincofarma

Publicado em 11 de maio de 2021


Compartilhe


Comentários