Workshop MedLevensohn e Sincofarma/SP: o que você precisa saber sobre os testes rápidos



Distribuidora promove imersão digital para auxiliar os farmacêuticos a esclarecer as dúvidas e realizar os testes e como eles funcionam em detalhes e ao vivo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou no dia 28 de abril a realização dos testes rápidos nas farmácias. O teste rápido determina se há anticorpos presentes para o novo coronavírus (SARS-CoV-2), apontando se a pessoa teve contato com o micro-organismo, já que o corpo começa a produzir os anticorpos como mecanismo de defesa. 

Como funcionam os testes rápidos?

Uma amostra de sangue é retirada para a realização do teste, que é feito por meio da metodologia chamada imunocromatografia de fluxo lateral, gerando cor a partir de uma reação química entre o antígeno presente no dispositivo e o anticorpo presente na amostra. O teste detectam a presença do anticorpo IgM e/ou IgG, caso estejam presentes na amostra.

Na produção das defesas, os anticorpos do tipo IgM são os primeiros a aparecer, por isso estão relacionados a infecção presente, isto é, indivíduo infectado pelo vírus. Os anticorpos do tipo IgG são aqueles produzidos mais tardiamente e também podem ser detectados pelo teste rápido, indicando que o indivíduo já teve o contato com o vírus.  O fator limitante é  que os anticorpos podem demorar para serem produzidos mesmo após o início dos sintomas e resultados negativos não significam que não há infecção (falsos negativos). 

Por isso, só é indicado que se faça o teste após 7 dias de início dos sintomas, onde um resultado positivo para IgM ou IgM+IgG indica infecção presente e um resultado positivo somente para IgG indica que já houve o contato anterior com o vírus. Outro ponto é que uma pessoa com sintomas não vai esperar 7 dias para fazer o teste e principalmente quando os sintomas são graves deve procurar imediatamente o atendimento médico emergencial. Portanto o teste rápido é mais indicado para determinar se a pessoa já teve o contato com o vírus.

De acordo com a Anvisa, os testes rápidos são simples de executar e não precisam de outros equipamentos de apoio (como aqueles utilizados em laboratórios) e conseguem dar resultados entre 10 e 30 minutos. 

MedTeste Coronavírus

A distribuidora MedLevensohn se tornou uma das empresas fornecedoras de testes rápidos para farmácias. O MedTeste Coronavírus atende todos os requisitos estabelecidos na resolução específica da Anvisa relativa à liberação de testes rápidos de Covid-19 no mercado brasileiro, já que identifica se a pessoa possui os anticorpos que falamos acima. 

O diagnóstico sai em apenas 10 minutos e pode ser realizado em qualquer ambiente de atenção à saúde por um profissional habilitado, como é o caso do farmacêutico na farmácia. Para fazer o exame, basta apenas um pouco de sangue colhido com uma pequena picada na ponta do dedo, usando uma lanceta descartável. 

O ideal é que os testes sejam conduzidos em pacientes que tiveram sintomas da enfermidade a mais de sete dias e que estejam sem sintomas a mais de dois dias. Nesta situação, os MedTestes apresentam uma confiabilidade de 99,3%, ou seja, em cada 100 casos testados, 99,3 terão resultado correto. 

Quais as vantagens que oferecer esses testes traz para a farmácia?

A possibilidade de oferecer resultados de imediato, disponibilizando testes para uma parcela mais ampla da população, que até agora não está conseguindo encontrar onde fazer. Por exemplo, será muito útil para uma pessoa que teve sintomas leves, precisa voltar ao trabalho e quer saber se teve contato com o vírus. 

Workshop MedLevensohn e Sincofarma/SP

Para ensinar a fazer os testes rápidos e dar uma perspectiva do ponto de vista médico e fazer uma imersão ao vivo no assunto, a MedLevensohn propôs um workshop para falar sobre o que envolve essa forma de testagem.

Dia 25 de junho, quinta-feira que vem às 15h, com mediação do Sincofarma/SP, eles farão uma demonstração ao vivo, para orientar os farmacêuticos que quiserem ofertar mais essa opção em sua loja a como fazer o procedimento e qual a importância da farmácia em um momento como esse. 

Confira a programação!

Cassyano Correr, farmacêutico do Clinicarx 

Como implantar o serviço:

  •  Orientações da Anvisa – Nota Técnica 97/2020;
  •  Como o Clinicarx atende às exigências.

Alexandre Chieppe, médico da MedLevensohn

A visão médica sobre o uso do teste nas farmácias:

  • Utilidade para a saúde pública;
  • Relacionamento médico/farmácia.

 Frederico Theobaldo, farmacêutico da MedLevensoh

  • Demonstração da realização do teste

Participação especial de Rafael Espinheiro como jurídico da ABCFARMA e Sincofarma/SP. E com mediação de Angélica Saldeira, coordenadora de Comunicação do Sincofarma/SP.

Faça sua inscrição e garanta o seu conhecimento!

Fontes consultadas: Anvisa e MedLevensohn

Fonte: Anvisa e MedLevensohn


Compartilhe


Comentários